sexta-feira, 9 de maio de 2008

Assim como são as pessoas são as criaturas


Noticia: Menina é atacada por um macaco aranha no zoológico.

A Cristina, tida como dócil macaquinha do zoo, virou notícia essa semana por ter sido malvadinha. É sabido sim que essa espécie de macaco é dócil e brincalhão. Mas chamamos a atenção para um tema já postado aqui no BioblogPe: estresse animal.
Em termos comparativos
Assim como são as pessoas são as criaturas. Para isso basta uma pequena análise.
Quando estamos pertos de bebês adoramos fazer um cut-cut-beijinho-pra-lá-beijinho-pra-cá. Risadinha-pra-lá-risadinha-pra-cá. Eles adoram.
Já na fase 2 anos em diante, o baby já não quer nem ouvir falar em beijinho. E quando passamos dos 7 anos parece a morte ouvir a amiga da mamãe nos chamar de coisa fofa.
Coisa assim acontece também com os bichanos. Com exceção de alguns cachorros que nascem, crescem e morrem abestalhados. Os bichanos quando baby são elétricos, alegres e brincalhões, mas ao se tornarem adultos tomam uma postura mais seria. Só que para azar o deles, nós não perdemos a mania de tratá-los como um baby. E claro eles logo resmungam: ela jura que eu sou um abestalhado.
E esse comportamento nosso é uma das coisas que mais estressa um animal. E por vezes eles agem com agressividade.
O que as pessoas esquecem sempre é que bicho é sempre bicho, e é sempre temperamental, e se eles estão demonstrando que estão no dia aí não enche o meu o saco, é melhor deixá-los quietos.
Zoológico do Recife
Em entrevista, o diretor, organizador ou sei lá quem, falou: quando as visitas são agendadas nos disponibilizamos nossos monitores, mas agora vamos mudar isso, os grupos agendados e não agendados vão ter monitores.
Nunca vi comentário mais sem respeito aos seus usuários. E digo mais, se você não tem como manter a segurança de um local é melhor mantê-lo fechado. Pois a primeira medida de segurança de qualquer lugar é trabalhar com o que pode acontecer. Monitores não são apenas para acompanhar os grupos não, são para estarem espalhados em cada canto do zoológico, orientando os grupos, e as pessoas que vão por conta própria para o zoológico. E mais, se a macaca Cristina tivesse visto alguém que ela reconhecesse muito provavelmente ela não teria atacado.
Acho mesmo que o zoológico do Recife precisa rever seus conceitos, pela segurança dos usuários e pela sanidade dos animais.
Por BioblogPe

2 comentários:

Anônimo disse...

Achei este depoimento ridículo.Não acho que ozoológico deveria rever seus conceitos, e sim as pessoas que vão visitar os animais no zôo.Não acho que Cristina iria atacar ou não se visse alguém que ela reconheceria, mas tenho certeza se as pessoas que encontrassem a macaca tivessem se afastado do animal nada disso teria acontecido.É muito fácil criticar e jogar pedras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

bioblogPe disse...

Anônimo(a),tomara que você não seja um funcionário ou o próprio diretor do zoo!!
Liberdade de expressão, nosso lema, pra você e pra nós. Claro.
Os comentários são sempre bem-vindos, mesmo que com assomo.
Agradeço ter chegado a uma postagem tão antiga.
E claro que não posso deixar de comentar: ainda bem que quem fugiu foi um macaco.
Volte e comente sempre.

Atenciosamente Equipe Bioblog.